Operação apura fraudes em licitações e na execução de obras de construção do Sesi na PB

Operação apura fraudes em licitações e na execução de obras de construção do Sesi na PB

Uma operação conjunta cumpre 28 mandados de busca e apreensão em João Pessoa, Campina Grande e Queimadas, com o objetivo de apurar crimes de fraude à licitação, superfaturamento em obras, peculato e de lavagem de dinheiro no Departamento Regional do Sesi na Paraíba. A Operação Cifrão é da Controladoria -Geral da Uniã (CGU), Polícia Federal, Ministério Público Federal e Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).

Um dos mandados foi cumprido na Prefeitura de Queimadas, em busca, segundo a assessoria de comunicação da prefeitura, a cópia de um atestado de capacidade técnica emitido pela gestão municipal no ano de 2015. "O atestado de capacidade técnica foi emitido pela Prefeitura Municipal de Queimadas em 10.08.2015, mas a empresa só foi registrada no CREA-PB em 11.09.2015, um mês depois", disse em nota. A assessoria ainda informou que, durante a busca, foi verificado que a empresa nunca realizou qualquer obra para o município.

A investigação teve início a partir de fatos constatados pela CGU, sobre a realização de auditoria no Departamento Regional do Serviço Social da Indústria na Paraíba (Sesi-PB), na qual se constatou superfaturamento de mais de R$ 2 milhões em três obras de construção e reforma de Centros de Atividades do Sesi, além da existência de vínculos entre os sócios das empresas contratadas e colaboradores e dirigentes do Sistema Indústria da Paraíba (Fiep, Sesi, Senai e o Instituto Euvaldo Lodi).

Com o aprofundamento das investigações pelos órgãos parceiros, constatou-se movimentações financeiras entre as contas bancárias das empresas contratadas e de pessoas relacionadas, direta ou indiretamente, ao Sistema Indústria da Paraíba, por meio de uma ginástica financeira, na tentativa de ocultar as aludidas transferências de recursos.

Segundo a CGU, o desvio de recursos destinados ao Sesi acarreta prejuízo para toda a comunidade atendida Sistema, uma vez que a Instituição atende indústrias e trabalhadores em gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (SST) e na promoção da saúde e educação dos trabalhadores, seus dependentes e comunidade, sendo tais atividades custeadas com contribuições das indústrias em percentuais incidentes sobre as folhas de pagamento de seus funcionários.

A operação conta com a participação de nove auditores da CGU e 96 policiais federais. As equipes utilizam Equipamentos de Proteção Individual (EPI), para que não haja comprometimento das medidas de prevenção à disseminação do novo coronavírus.

Comentários

Outras Notícias