Nova Zelândia adia eleições gerais após volta de casos do novo coronavírus

Nova Zelândia adia eleições gerais após volta de casos do novo coronavírus

Em anúncio nesta segunda-feira (17), a primeira-ministra da Nova Zelândia adiou as eleições gerais do país em um mês, para 17 de outubro, já que a cidade de Auckland - a maior do país - permanece confinada devido a um novo surto do novo coronavírus, que causa a Covid-19.

Jacinda Ardern estava sob pressão para adiar o pleito, já que os partidos políticos dizem que é impossível fazer campanha de uma forma que garanta uma eleição livre e justa.

"[A data de 17 de outubro] fornece tempo suficiente para as partes planejarem em torno da gama de circunstâncias sob as quais faremos campanha", disse Ardern em entrevista coletiva.

Ela descartou o adiamento das pesquisas, já que seu Partido Trabalhista mantém uma forte vantagem sobre o conservador Partido Nacional nas pesquisas de opinião.

"Estamos todos no mesmo barco. Estamos todos fazendo campanha no mesmo ambiente", disse Ardern.

Uma eleição antecipada seria favorável a Ardern, já que seu sucesso em sufocar a Covid-19 e manter o país livre de vírus por 102 dias até o último surto aumentou sua popularidade.

A eleição estava marcada para 19 de setembro e a lei da Nova Zelândia exige que seja realizada até 21 de novembro. A votação prévia começará agora em 3 de outubro.

O vice-primeiro-ministro Winston Peters, que pediu um adiamento, disse que "o bom senso prevaleceu".

O líder do populista partido New Zealand First entregou o governo aos trabalhistas por meio de um acordo de coalizão depois que nenhum partido obteve a maioria nas eleições de 2017.

Os oponentes de Ardern a acusam de usar a pandemia para conseguir apoio, já que ela aparece na televisão quase todos os dias para tranquilizar os neozelandeses, enquanto outros líderes do partido lutam para chamar a atenção.

Seus rivais esperam que Ardern perca um pouco de seu apelo assim que as dificuldades econômicas causadas pelo bloqueio comecem a afetá-la.

Com uma população de 5 milhões de pessoas, a Nova Zelândia se saiu muito melhor do que a maioria dos países durante a pandemia. Mas um ressurgimento abrupto do Covid-19 na semana passada em Auckland levou a um bloqueio, e há suspeitas crescentes de que a fonte da propagação foi uma instalação de quarentena.

Na sexta-feira, Ardern estendeu um bloqueio para 1,7 milhão de residentes de Auckland até 26 de agosto, e regras de distanciamento social estão em vigor em outras cidades. São 69 casos ativos no país.

Comentários

Outras Notícias