Membros do MDB cobrou R$ 8 milhões para indicar vice de Ricardo Coutinho em 2014, afirma Livânia em delação

A ex-secretária de finanças do município de João Pessoa e de administração do Estado da Paraíba, Livânia Farias, apontou durante delação premiada ao Ministério Público da Paraíba (MPPB), que um grupo de políticos do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) pediu a quantia de R$ 8 milhões para dar apoio ao ex-governador do estado, Ricardo Coutinho, na candidatura à reeleição no ano de 2014.

Livânia revelou ainda os bastidores de uma reunião que teria sido realizada com o objetivo de escolher o vice-candidato na chapa encabeçada por Ricardo Coutinho no mesmo ano.

Ricardo Coutinho foi alvo da 7ª fase da Operação Calvário, chamada de Juízo Final. A ação investiga a existência de uma suposta organização criminosa suspeita de desvio de R$134,2 milhões de serviços de saúde e educação.

Em mais um trecho da colaboração premiada de Livânia Farias, ela revelou como era feito o pagamento de propina e liberado os recursos para campanhas eleitorais e para comprar o apoio de políticos.

O encontro entre o grupo, segundo Livânia, teria acontecido durante uma madrugada na Granja Santana, que é a residência oficial do Governo do Estado, em João Pessoa.

Conforme a ex-secretária, estavam presentes na reunião Manoel Júnior, Trócolli, Nabor, Raniery Paulino, Hugo Motta. Ela disse também que os irmãos Lucélio e Luciano cartaxo chegaram e saíram rapidamente do local. Conforme a delação dela, a negociação não teria dado certo porque o valor de R$ 8 milhões não estava disponível na Granja Santana. Livânia contou também que após a reunião, o PMDB lançou o nome de Vitalzinho como candidato ao governo. Ele perdeu o pleito e aderiu à chapa encabeçada por Ricardo Coutinho.

Os citados reagem e negam acusações da delatora.

 

Fonte: Redação com G1

Comentários

Outras Notícias