25 anos de mistério: quem matou PC Farias e Suzana Marcolino? - Por Ytalo Kubitschek

25 anos de mistério: quem matou PC Farias e Suzana Marcolino? - Por Ytalo Kubitschek

Esse país tem coisa que é difícil de a gente explicar. Há 25 anos ocorria uma das maiores queimas de arquivo da história política brasileira. Dois tiros sem nenhum autor. Dois mortos numa casa supostamente vigiada por quatro seguranças. Um crime sem castigo e sem solução. 

Na madrugada de 23 de junho de 1996, Paulo César Farias, tesoureiro da campanha do ex-presidente Fernando Collor em 1989, e sua namorada, Suzana Marcolino, foram encontrados mortos no quarto de casal na sua casa de praia de Guaxuma, em Maceió. Um revólver Rossi, calibre 38 (sem nenhuma impressão digital ou marca de sangue), foi encontrado na cama. Cada um levou um tiro no peito. 

Em poucas horas, as autoridades de Alagoas se apressaram em divulgar a "estória oficial". Segundo o então secretário de Segurança Pública, a tragédia seria um crime passional, no qual Suzana Marcolino teria matado PC e depois se matado. O Brasil não engoliu a ridícula tese e se recusava a acreditar que o poderoso chefão de uma rede de corrupção houvesse morrido pelas mãos da namorada, justamente uma semana antes de depor no Supremo Tribunal Federal, em uma investigação sobre o pagamento de suborno a membros do deposto governo Collor. 

PC Farias, obviamente, sabia demais. Anunciara que escreveria um livro detalhando todo o esquema. Não queria pagar o pato sozinho. Portanto, precisava ser silenciado. 

Três dias depois do duplo assassinato, por determinação da família de PC e, com autorização da polícia alagoana (até hoje ninguém sabe por que a polícia autorizou), a cena do crime foi totalmente desmontada. Colchão, travesseiros e lençóis foram queimados. Todas as provas residuográficas foram destruídas descaradamente. Vestígios de sangue, pêlos, fios de cabelo, pedaços de tecidos seriam rastros que numa análise de laboratório poderiam mudar a história dessa investigação. 

Fortunato Badan Palhares

No cenário do crime, um novo personagem começava a roubar as atenções, o obscuro legista Fortunato Badan Palhares, professor da Universidade de Campinas. Contratado pelo deputado federal Augusto Farias, irmão de PC, seria ele o responsável pela explicação técnica do crime. Seu laudo se pautou simplesmente em confirmar a "estória oficial".  

Em depoimento a CPI do Narcotráfico, o ex-governador de Alagoas Geraldo Bulhões acusou Badan Palhares de ter recebido suborno de R$ 400 mil do deputado Augusto Farias para cometer o crime de falsa perícia e forjar o laudo que sustentava a tese de crime passional. Essa CPI investigava o caso PC por acreditar que "sócios" no crime organizado tenham planejado sua morte. 

George Sanguinetti

A primeira voz dissonante em relação à "estória oficial" partiu do coronel da reserva e professor de Medicina Legal da Universidade Federal de Alagoas, George Sanguinetti. Conforme publicou no seu livro, "O Dossiê de Sanguinetti", ele concluiu que pela localização do ferimento, pela posição do corpo de PC, pela estatura de Suzana, e, principalmente, pelo ângulo do disparo, “a única forma de ela ter apertado o gatilho era se estivesse levitando”.

"Paulo César não morreu naquela cama. O seu corpo foi alvejado em outro local, arrastado até aquele quarto e arrumado naquela posição. Não há crime passional com um único disparo. Crime passional ocorre com tiros múltiplos. Tiro único naquela distância é coisa de profissional. Antes de ser alvejada pelo assassino, Suzana Marcolino ainda foi vítima de uma tentativa de estrangulamento. Ela foi contida na região servical e teve uma fratura no osso hioide, que fica na base da língua. Após a falsa autópsia, o professor Badan Palhares levou para Campinas o hioide do corpo de Suzana para destruir a prova do estrangulamento. O que ocorreu em Alagoas é escandaloso", afirmou Sanguinetti. 

O legista denunciou também que foi ameaçado de morte e avisado pelo coronel Manoel Francisco Cavalcante de que Augusto Farias o teria contratado para matá-lo.

Suzana nunca usava sutiã 

Na cena do crime, Suzana Marcolino apareceu de sutiã, peça que jamais utilizava nem socialmente, muito menos para dormir. E o mais grave, o sutiã era de um manequim menor. O detalhe foi percebido pela irmã da vítima, Ana Luiza Marcolino.

Ao avistar o corpo de Suzana no Instituto Médico Legal, seu irmão Jeronimo Marcolino percebeu ainda que além da fratura no pescoço, o corpo apresentava outras marcas de espancamento, como ferimentos atrás dos lábios e hematomas na perna. 

Genival Veloso de França 

Outras dúvidas começaram a pipocar simultaneamente pela imprensa. Para o esclarecimento definitivo do caso, foi necessário se fazer uma segunda perícia. Os corpos de Suzana e Paulo César, que só haviam sido examinados por Badan Palhares, foram novamente exumados. 

Desta feita, um paraibano traria grande reviravolta ao caso. Convocado pelo Ministério da Justiça, o célebre legista Genival Veloso de França, fez o segundo laudo com outros renomados ícones da Medicina Legal no Brasil, a exemplo de Domingos Tochetto (UFRS) e Daniel Munhoz (USP).

Eis que a "estória oficial" foi reduzida a pó no segundo laudo. Começando pelas mãos de Suzana, onde não foram encontrados vestígios de chumbo, bário e antimônio, elementos químicos que integram as substâncias iniciadoras da espoleta estão sempre presentes na mão de um atirador. 

Outro dado devastador do segundo laudo é que o tiro contra Suzana foi disparado a uma distância de 20 cm. Conforme os legistas, quem se mata encosta a arma no corpo. Também não havia nenhuma marca de sangue na arma, mas havia no anel de Suzana. Como ela atiraria em si própria e o sangue não respingaria na arma? 

Erro na altura de Suzana 

Mas o detalhe que mais chamou a atenção na chamada “guerra dos laudos” foi a discussão sobre a altura real de Suzana Marcolino. Badan Palhares fez o primeiro laudo com uma modelo que media 1,67m. Suzana tinha, na verdade, 1,57m, ou seja, 10 centímetros a menos. Os legistas Genival Veloso, Domingos Tochetto e Daniel Munhoz recalcularam então a trajetória da bala, tomando como base o buraco que ela deixara na parede, após transpassar o corpo de Suzana. 

Concluíram que se Suzana estava sentada na cama, como indicava Badan, o tiro deveria ter passado à altura de sua cabeça, e não atingido o pulmão esquerdo, como o fizera. Com base na altura corrigida, o segundo laudo concluiu que Suzana não morreu sentada, mas com um joelho apoiado na cama e se inclinando para a frente, como se estivesse tentando se defender do atirador. 

O tempo estimado entre as duas mortes

Vistoriados pela então presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Legal, Maria Tereza Pacheco, o exame dos estômagos de PC e Suzana revelou um intervalo de aproximadamente quatro horas entre as duas mortes. A primeira teria ocorrido entre 2h e 3h, enquanto a segunda ocorreu entre 6h e 7h. 

Com PC Farias já morto, Suzana usou o celular três vezes, gravou três mensagens (às 3h5, às 4h57 e às 5h) para um amigo dentista de São Paulo, Fernando Colleoni. A terceira gravação, às 5h, capta uma estranha voz que em tom ameaçador diz a moça: "o que você tá fazendo? depressa, se arruma, se arruma". As gravações foram entregues pelo dentista à polícia. O aparelho de Suzana sumiu da cena do crime e jamais foi localizado.

Quem entrou dentro do quarto? Quem teria mandado Suzana se arrumar, se PC já estava morto? 

Por que a carteira de identidade de Suzana foi devolvida pela polícia com a assinatura rasgada? Seria para ser usada no cheque que alegaria a suposta compra da arma? 

Quantos mistérios naquela madrugada. 

Caixa-preta humana

É preciso se dizer que Paulo César Farias não tinha apenas implicações com o empresariado brasileiro, de quem arrecadou muito dinheiro na campanha e no governo de Collor, mas também tinha ligações com uma poderosa máfia italiana que atuava no Brasil. A propósito, um desses mafiosos italianos ligados ao ex-tesoureiro foi assassinado num apartamento de luxo em São Paulo, seis anos antes de PC, em circunstâncias idênticas, com um tiro no peito. 

PC era uma espécie de caixa-preta humana, depositário de alguns dos mais bem-guardados segredos do esquema de corrupção que escandalizara o Brasil e que, menos de quatro anos antes, em 1992, levara ao processo de impeachment e à renúncia do ex-presidente. Tesoureiro da campanha de Collor à presidência, PC Farias tornou-se a eminência parda do governo, organizando um caixa 2 estimado pela Polícia Federal em cerca de 1 bilhão de dólares. A fortuna era proveniente da rede de dinheiro sujo que mantinha conexões com a máfia italiana e o crime organizado internacional.

Conclusão do caso

O inquérito concluído pelo promotor Luiz Vasconcelos, em agosto de 1999, decidiu pelo indiciamento de Augusto Farias e dos quatro seguranças que faziam a guarda da casa de praia de PC em Guaxuma. Entretanto, como exercia mandato de deputado federal, Augusto contou com a prerrogativa de ter seu processo remetido à Procuradoria Geral da República (PGR), que recomendou o arquivamento do caso, aceitando a tese de crime passional. Com base nisso, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu por encerrado o processo. 

Apenas os quatro seguranças de PC Farias – os cabos Adeildo Costa dos Santos e Reinaldo Correia da Silva Filho, bem como os soldados José Geraldo da Silva Santos e Josemar Faustino dos Santos – foram a júri popular em Maceió. O julgamento só ocorreu 17 anos depois, em 2013. Na oportunidade, os jurados concluíram que PC e Suzana foram mortos por uma terceira pessoa, rejeitando a tese de crime passional, tramada para encobrir o verdadeiro assassino. Porém, por clemência, figura rara nos tribunais brasileiros, decidiram absolver os quatro réus. 

O assassinato de PC Farias foi a maior queima de arquivo da história do Brasil. Suzana Marcolino era apenas a pessoa errada, no lugar errado. O autor do crime permanece desconhecido após 25 anos. Nada aconteceu com os responsáveis pela "estória oficial".

“Não tenho dúvidas de que havia mais alguém na cena do crime, além de PC e Suzana. Foi essa terceira pessoa quem matou os dois”, assegurou o jornalista Lucas Figueiredo, autor do livro "Morcegos Negros: PC Farias, Collor, Máfias e a História que o Brasil Não Conheceu".

Crime perfeito ou investigação mal feita? 

"O que a família de Suzana Marcolino sonha é que um dia tudo seja descoberto, acreditamos em Deus que a verdade ainda vai vir. Não suportamos mais isso". (Ana Luiza Marcolino)

Quem matou PC Farias e Suzana Marcolino? 25 anos se passaram e o mistério continua.

Comentários

Outras Notícias